Isadora Faber pode ser o começo de uma revolução no ensino público

A menina da foto é a Isadora Faber. Ela tem 13 anos e estuda em uma escola municipal de Florianópolis. Como muitas outras escolas públicas, a dela tem problemas: portas quebradas, instalação elétrica precária, professores que não conseguem dar aula, etc. Isadora resolveu falar desses assuntos em público, contrariando o pacto de silêncio que mantém o ensino público brasileiro do jeito que ele é. Ela montou a página Diário de Classe, no Facebook. Ganhou a aprovação de mais de 6 mil pessoas na internet, mas não fez lá muito sucesso entre os funcionários e gestores da escola. A menina chegou a ser pressionada para retirar determinados conteúdos do ar e é olhada com desprezo pelas tias da cantina. Isadora já chegou a ouvir da diretora que ela teria que aguentar as conseqüências do que havia feito.

Hoje, tive a chance de falar com Isadora. Ela me disse que quer ser jornalista. Mal sabe a menina que já fez mais pela profissão que muitos medalhões bem pagos para sentar atrás das bancadas dos nossos telejornais. Com mais algumas Isadoras, o Brasil poderá enfim fazer aquela revolução educacional de que tanto precisa. Ouça aqui a entrevista dela. Comprovando a tese do blog, a Secretaria de Educação de Florianópolis agora promete atender as reivindicações da menina e mudar a postura em relação ao conteúdo dela no Facebook.

Leia também: Enquanto Nissim celebra e Luíza viaja, Isadora Faber leva o Brasil nas costas.

E mais: Corporativismo dos professores não quer saber de Isadora Faber.

O blog chegou ao Diário de Classe por indicação da Carla Del Vale, da Polvo Digital. Aqui não tem jabá, só gratidão.

About these ads
Esse post foi publicado em Jornalismo Loucal e marcado , , . Guardar link permanente.

94 respostas para Isadora Faber pode ser o começo de uma revolução no ensino público

  1. Anônimo disse:

    Ela é menor, não poderia ter perfil no facebook !

  2. Michael disse:

    Ela é de menor, não poderia ter um perfil no facebook !

  3. Sahra disse:

    Me dói não a atitude da aula, porque acho sim válido a denúncia do descaso com a educação pública. Mas me dói um bando de adultos criticando profissionais sem se inteirar totalmente dos fatos. Vá a uma sala de aula e tente ter domínio de turma. Vá a uma escola e seja diretor sem estrutura, sem profissionais e sem dinheiro. São os professores que são despreparados? É a diretora que é incompetente? Vocês já trabalharam em uma escola pública para entender as limitações? É todo um sistema, toda uma estrutura. O professor tem problemas ao dar a aula e ela como aluna tem direito de querer boas aulas com certeza. Mas os alunos só tem direitos? Não tem deveres? Antes de criticar somente os profissionais se coloquem na nossa situação. E vejam se temos como cumprir nosso papel sem o apoio necessário e sem os alunos cumprindo com mínimo dos deveres pedidos, aliás, com o mínimo que é pedido a outro ser humano, respeito.

  4. Pingback: Florianópolis girl uses Facebook to blow whistle on her school « Floripa Times

  5. Anônimo disse:

    Atenção Diretores de Escola, Funcionarios, tem 10 milhões de Isadoras no Brasil, Mec se cuide, Vamos Trabalhar Gente…Parabéns Isadoras

  6. Paulo disse:

    Isso é uma cortina de fumaça, Sahra.

  7. Pingback: Corporativismo dos professores não quer saber de Isadora Faber | ABCuritiba

  8. Pingback: O fenômeno do Diário de Classe de Isadora Faber: um contraponto « Blog EA Crítica

  9. Anônimo disse:

    Trabalhei no ensino público durante trinta e seis anos, quantas frustrações eu tive como professor, não posso relacionar, porque seria abusar da paciência do leitor. Porém acompanhei todo o desmanche da edução brasileira, tanto como estudante do básico onde fui proibido de cantar o hino Nacional, até quando iniciei minha carreira como professor de exatas, por opção e paixão pelo ensino e pela escola, pois dos 07 aos 59 anos passei a maior parte desta existência dentro da escola. Sei muito bem o que esta garota sente e milhões de seus colegas espalhados por este País de meu Deus. A Educação Pública brasileira foi complemente desestrutura, apesar da L.D.B, atual que é moderna, porém desrespeitada de alto a baixo, veja a greve dos professores universitários(falta respeito à escola, ao professor e ao aluno). E uma das coisas fundamentais neste país é a falta de fiscalização dos Órgãos competentes à aplicação dos recursos destinados à Educação, que vai desde às Secretarias de Estados ligadas à educação, ao diretor de Escola. Neste tempo que passei como educador nunca pude executar um projeto ou planejamento dentro da minha área de atividade( faltava dinheiro, não tinha material disponível, promessas que nunca se cumpria). Vi muitas mentes brilhantes se perderem, tendo um mínimo de aproveitamento em sala de aula(só vence os heróis, os autodidatas, os que fazem das tripas coração para aprender). Tenho muita coisa para falar, infelizmente isto é apenas um comentário, condenar esta menina corajosa, é um crime e uma injustiça. A ela o meu abraço. Parabéns.

  10. Pedro Albuerque disse:

    Trabalhei no ensino público durante trinta e seis anos, quantas frustrações eu tive como professor, não posso relacionar, porque seria abusar da paciência do leitor. Porém acompanhei todo o desmanche da edução brasileira, tanto como estudante do básico onde fui proibido de cantar o hino Nacional, até quando iniciei minha carreira como professor de exatas, por opção e paixão pelo ensino e pela escola, pois dos 07 aos 59 anos passei a maior parte desta existência dentro da escola. Sei muito bem o que esta garota sente e milhões de seus colegas espalhados por este País de meu Deus. A Educação Pública brasileira foi complemente desestrutura, apesar da L.D.B, atual que é moderna, porém desrespeitada de alto a baixo, veja a greve dos professores universitários(falta respeito à escola, ao professor e ao aluno). E uma das coisas fundamentais neste país é a falta de fiscalização dos Órgãos competentes à aplicação dos recursos destinados à Educação, que vai desde às Secretarias de Estados ligadas à educação, ao diretor de Escola. Neste tempo que passei como educador nunca pude executar um projeto ou planejamento dentro da minha área de atividade( faltava dinheiro, não tinha material disponível, promessas que nunca se cumpria). Vi muitas mentes brilhantes se perderem, tendo um mínimo de aproveitamento em sala de aula(só vence os heróis, os autodidatas, os que fazem das tripas coração para aprender). Tenho muita coisa para falar, infelizmente isto é apenas um comentário, condenar esta menina corajosa, é um crime e uma injustiça. A ela o meu abraço. Parabéns.

  11. cláudio back disse:

    Mais pelo fato de ser menor (e não de menor), demonstra a maturidade de uma menina de 13 anos.A resposta mais sensata ao ensino brasileiro está aí. Enquanto gasta-se mais de um bilhão na reforma de um campo de futebol que será usado eventualmente em 90 minutos,deixa-se de reformar uma escola que vai funcionar certamente para a vida toda.Parabéns Isadora.

  12. professor disse:

    quem inventa aguenta, estudaram para ser professores? o que mais seriam, façam bem aquilo que se propuseram…

  13. Pingback: Isadora Faber pode ser o começo de uma revolução no ensino público « Um Homem de Família

  14. Edvaldo Leite disse:

    Legal o texto, Álvaro. Postei no meu blog, ok? A coragem dessa menina tem que influenciar milhares de outros estudantes pelo Brasil.

  15. ledestak disse:

    Exatamente, uma forma muito bacana de utilização das redes sociais para buscar melhorias em questões de real necessidade.

  16. Anônimo disse:

    Entendo o lado de todos os funcionários e, tenho certeza de que a parte que tem que ser mudada com mais urgência é a Secretaria da Educação.

  17. alvaroborba disse:

    com link, ok.

  18. Vera disse:

    Ok, falarmos dos problemas superficiais parece recorrente e também procedente. Mas onde está a procedência desse desmonte da estrutura de ensino no Brasil? Não adianta ampliar recursos financeiros e materiais se a política de ensino foi, em sua raíz, contaminada há décadas por um nefasto marxismo cultural que em nome de sua ideologia, provocou isso tudo. O pacto de silêncio apontado não é de todo consciente, pelo contrário, para a maioria dos educadores, é inconsciente, pois inconsciente foi a sua lenta e gradual doutrinação aos moldes esquerdistas, fazendo parecer uma evolução natural das coisas, quando na verdade, houve todo um planejamento organizado para atingir não só a educação, mas a cultura (em todas as suas formas), em cheio. Quem então desestruturou o nosso ensino? Pesquisem sobre a ideologia da escola de Frankfurt do século passado, sobre os adeptos do socialismo fabiano e terão a resposta; foram todos eles infiltrados na política da esquerda brasileira (e até mundial) que desmontou, fragilizou e tornou incompetente o nosso sistema de ensino, para chegar ao ponto insustentável que chegou.

  19. Flavia disse:

    Para Sarah, obviamente uma professora corporativista.
    Sim, trabalhar em uma escola pública é difícil (assim como trabalhar em vários outros lugares é difícil) e atitudes como a sua só tornam a coisa pior. Explico: começa a dizer que tudo é difícil e conclui que “é toda uma estrutura, é todo um sistema”. O que diabos significa isso? Significa: não adianta fazer nada. Então, você Sarah, deixa a máscara cair e joga a responsabilidade para os alunos. Eu nunca dei aula em escola pública, mas eu já fui aluna. E quando você diz que os alunos “só tem direitos”, você quer dizer o que? Que é um dever da Isadora, como aluna, controlar os outros alunos para que o professor de matemática possa dar aula?! É isso mesmo? Como a própria Isadora disse, não são todos os professores que não controlam a sala, é unicamente o de matemática. Então, fica claro que o problema não são os alunos, mas esse professor em particular.
    Pra finalizar, se você não aguenta, se você não gosta do que faz, pare de fazer. Tenha um pouco de respeito na própria cara e procure algo que você dê conta de fazer. Ninguém precisa aturar você como professora se você não tem estrutura para controlar uma classe.

  20. Professora Edilamar disse:

    É fácil dizer que o outro não tem estrutura para controlar uma classe, não é mesmo Flávia? Gostando ou não da profissão que assumi, sou uma RESPONSÁVEL professora do Ensino Médio e realmente fico deprimida diante de comportamentos infantilizados, inconsequentes e desrespeitosos de vários alunos, o que me desestrutura sim, várias vezes. A Escola deve colaborar para o bem da sociedade, mas a sociedade também precisa se comprometer com a Escola. Os pais devem ser convocados para assinar um documento que esclareça as atitudes que seus filhos (os alunos) devem ter durante as aulas para se tornarem bons cidadãos, colaborarem com a própria aprendizagem e não prejudicarem o desempenho dos colegas. Essas atitudes/comportamentos éticos devem ser fruto de discussão, consciência e consenso entre o corpo docente, o corpo discente (especialmente do Ensino Médio e dos anos finais do Ensino Fundamental), Coordenação Pedagógica, Direção, Conselho Escolar, pais e demais funcionários da escola. Colaborar com a aula inclui, por exemplo, ser menos egocêntrico, reduzir brincadeirinhas e piadinhas, ser pontual, fazer as atividades solicitadas com dedicação. Essas atitudes de colaboração com as aulas, após definidas, devem ser registradas no boletim e valer oficialmente para a aprovação do aluno. Com certeza, isso refletiria positivamente não somente nas atitudes discentes, mas também na postura dos professores e da sociedade em geral. A tecnologia pode colaborar muito para o enriquecimento das aulas e para o processo de aprendizagem, mas nada terá êxito se o ser humano não se comprometer com a própria “humanização”.

  21. Filipe disse:

    Bem… Fica claro que no Brasil inteiro, tem problemas com a educação!

    PORÉM NINGUÉM ESTÁ FALANDO DO REAL DESCASO QUE EXISTE.

    Eu estudei minha vida inteira em colégios particulares como bolsista, fiz muita amizade com várias pessoas, de todas as classes sociais ( que existe sim e de forma muito bem declarada ).

    Os mesmos problemas de alunos mal educados, brincadeiras, casos de roubo, brigas, drogas, etc… Acontecem em todas as escolas! O que muda uma sala de aula é quem está a frente dela.

    Tive inúmeros professores e nós alunos já sabíamos com quem estávamos lidando, quando este adentrava a sala de aula. Por isso falo que é de total responsabilidade do professor o decorrer das aulas e principalmente, ser o indicativo para fazer notificações aos pais, exigindo assim que o aluno melhore ou ele será retirado das suas aulas.

    Para os professores que se acham no direito de ficar reclamando de alunos, digo-lhes que não são verdadeiros professores… pois estes estão imitando seus piores alunos e fugindo de suas responsabilidades. Responsabilidades de mestres, quais deveriam se comprometer com os bons alunos e ensiná-los, dar a eles a possibilidade de seguir em frente e lutarem pelos seus sonhos sociais e profissionais.

    Para completar a situação deste quadro político e estrutural das escolas, que assim como em muitas áreas está lamentável… existe o total descaso com os alunos, existindo muitas aulas vagas, falta de material escolar, alimentação precária em muitas escolas… Realmente uma lista muito extensa!

    —————————————————————————————————————————

    Hoje, 30/08/2012, tenho 21 anos, estudo desde os 4 anos. Vi e vivi, muitas situações, dentro de escolas, que se contar, muitos não acreditarão, pois pensarão ser um exagero da minha parte. Sei que muitos professores se esquecem de como é ser aluno, se esquecem que crianças querem brincar, se tornam verdadeiros carrascos ou marionetes, esquecem que devem ser amigos dos seus alunos.

    Professores acabam se esquecendo que as pessoas que os escutam (sim elas existem), nunca viram tais assuntos e que o fácil para você que está explicando, é algo de outro mundo para as cabecinhas que tentam entender.

    Professores peço-lhes apenas, que tenham respeito por seus alunos… não esqueçam de suas responsabilidades, pois são vocês que irão dar um futuro para uma criança, qual não tem ninguém olhando por ela!

    Sei que muitos irão me criticar, pois cada um tem sua opinião. Mas digo-lhes, já estive dos dois lados do muro, particular e publico e nenhum dos dois é diferente quanto ao quesito educação.

  22. Vera disse:

    Para tods os que acusam o corpo docente, professores, diretores ou até os alunos: Não é culpa nem de um, nem de outro. A CULPA É DA POLÍTICA DE ESQUERDA MARXISTA DO ESTADO no ensino e ponto. Que se chegue à raíz, eliminem essa funesta esquerda e seu marxismo cultural da educação que ela melhora, sem dúvidas.

  23. Olha, a iniciativa é boa (como já havia dito na própria página dela), porém a muitas irregularidades, o que me admira é o fato de um jornal ou site de grande repercussão parabeniza-la, isso torna as coisas de forma ambígua, não o relato da escola do pq ela estar do jeito que está, não há o relato dos professores que ela “denuncia” (onde se vê claramente que os alunos não cooperam). Acredito que seja uma vergonha isso, tanto para este meio de comunicação, quanto para o governo que a apoia (por causa da população que o faz) e a população por não ter um discernimento crítico.

  24. Paulo disse:

    Acredito que com essa iniciativa a menina Isadora irá criar uma verdadeira revolução. Os comentários acima desdenham a menina Isadora se queixando das aulas, da estrutura enfim… TODOS sabemos que o ensino público não tem qualidade no conteúdo tão quão uma grande % de “profissionais” que exercem “a educação” em nosso País. Mas vamos e venhamos, essa % de profissionais ao menos se esforçam para melhorar as próprias qualidades e com toda informação disponível de hoje na Internet (e de graça), ficaria bem mais fácil conter os ânimos de uma sala de aula criando uma metodologia de ensino diferenciada, tecnológica, perspicas e arrojada sem perder o conteudo! Quem sabe com essa iniciativa da menina Isadora, os “profissionais” da educação também revejam seus princípios e mudem a postura e metodologia!
    OBS: Sou professor de história (uma das matérias mais “soníferas” de uma sala de aula- kkkkkkkkkk) a 30 anos e aprendi que não é falando alto ou cobrando/castigando alunos que se conquista alunos e sim, diversificando e arrojando as aulas, envolvendo TODOS em projetos e sistemáticas de caso a caso. Claro que isso demanda tempo e vontade portanto, vamos pra cima desse depoimento com vontade de mudar a narrativa da realidade!

  25. Anônimo disse:

    Não devemos rivalizar, cada um de nos tem seus motivos, justos para uns e injustos para outros, a divisão de um povo tem sido até hoje a melhor forma dos sujos governarem este pais! Vamos nos unir em idéias e ideais! Somos em muito maior número Que aqueles a quem empregamos como governantes e representantes. Vamos destituir o poder que demos a eles! Precisamos de representantes? Não somos auto suficientes? VIVA A ANARQUIA!!!! UM POR TODOS E TODOS POR UM! PENSE NISSO!

  26. Soraia Costa disse:

    Ai Vera, vai passar a roupa do teu marido vai.

  27. Vera disse:

    Pois é Soraia, baixar o nível de diálogo tb é outra prática comun aos marxistas.

  28. vane andrade disse:

    Acho muito difícil para os educadores hoje em dia lidar com tudo isso,os alunos fazem o q querem ñ tem nem um tipo de punição, ta na hora de rever as leis,nos dias de hoje com tanta informação com 12 anos já sabe o q é bom e q é ruim e tbm sabem q vão ficar impunes em tudo q faz de errado, tem q começar responsabilizar os pais a pagar pelos crimes dos filhos, porque agredir um educador e promover baderna em qualquer lugar é crime,Também tem educadores q ñ tem nem um pouco de respeito pelos os alunos. Se algo ñ mudar ñ sei onde vamos parar.

  29. Vera Bianca disse:

    Para mudar o que vem se acelerando lentamente há tempos, é preciso mudar a política brasileira totalmente esquerdista. Não tem outra opção, o Brasil precisa se voltar mais à direita política, se quiser ter uma educação e sociedade decente, livre dos pensamentos gramscinianos e marxistas.

  30. Anônimo disse:

    desde quando menor não pode ter facebook? que eu saiba era o orkut que era proibido…

  31. Pingback: ABCuritiba encerra as atividades (talvez) | ABCuritiba

  32. Anônimo disse:

    A questão não é se pode ou não uma menor ter uma conta no Facebook… mesmo que não seja permitido pela política do site, isso só demonstra que essa menina tão jovem já consegue perceber como chamar a atenção de “gente grande” para resolver os problemas da educação!

  33. Anônimo disse:

    Não reclamem pelo fato de uma menina usar uma rede social para discordar do péssimo ensino que recebe na escola…
    Ela sabe utilizá-la melhor do que muitos adultos!

    Que venham mais Isadoras!

  34. Ademir Rafael disse:

    Que direito tem uma menina de pedir melhorias em sua escola? Todo direito!
    O problema não está aí. 0 problema é que a mídia explora o fato como se a culpa de uma turma ser bagunceira seja do professor. Se bem que em alguns casos seja mesmo, em geral sabemos que a escola já não é a mesma de outrora. Nossos alunos vêm de uma família onde pai e mãe trabalham e já não podem acompanhar os filhos. De igual forma a sociedade já não valoriza educação como antes, afinal o Fenômeno, o cantor de rap, até o deputado mais votado não precisaram de estudo. E o professor? Ele já não recebe a mesma valorização de outrora seja como status ou financeira. O aluno não o respeita porque não respeita os pais e ninguém. Ele tem que trabalhar seguidas horas em diferentes escolas para garantir um salário razoável e isso nunca vai ser proibido pelo governo, pois a menos que passe a receber um salário decente, se o proibirem dos “segundos empregos” absolutamente ninguém mais vai ser professor. Como resultado a qualidade de ensino vai ser baixa e o nível de estresse alto. O problema de educação no Brasil é cultural. Mesmo que seja ela a única alternativa de elevar nossos índices de desenvolvimento humano. Procurar culpa nos outros é um erro, ela está em nós como povo!
    E como diria Giordano Bruno (1600) “ninguém espere mudar o poder pelos que estão no poder”

  35. Vera Bianca disse:

    Concordo parcialmente com o Ademir.
    Não concordo que o problema da educação no Brasil seja cultural. Vim de uma escola pública nas décadas de 60/70, onde o ensino era de maior qualidade e só pós governos sociais democratas e posteriormente esquerdistas mesmo, é que deteriorou de vez. Concordo que o povo erra quando coloca no poder governos de esquerda com fundamentos marxistas (PT e cia) e dá no que dá.

  36. Parabens Izadora Faber!!!! continue…..não pare nunca!!!

  37. Anônimo disse:

    Isso explica pq trabalham na cantina.

  38. Mauricio MCJ disse:

    Alvaro, veja esse video aqui http://www.youtube.com/watch?v=YIcbHnIQy1Y ontem ele foi retirado do ar, mas esse é o futuro do nosso pais…

  39. Anônimo disse:

    se todos pensasse igual a Isadora, o brasil teria mais escolas de qualidade.varias escolas são muito sujas inclusive a escola que meu filho estuda.

  40. Anônimo disse:

    parabéns garota! esse pais precisa ter escolas de qualidade

  41. Pingback: Isadora Faber pode ser o começo de uma revolução no ensino público « Blog do Edvaldo Leite

  42. Pingback: Como reage um Brasil que não quer ser educado | ABCuritiba

  43. Pingback: Voltaremos com a nossa programação normal em instantes | ABCuritiba

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s